Pular para o conteúdo principal

Desafios...

Muitas vezes somos desafiados. Umas a se calar, outras a esperar e em algumas precisamos ousar. O texto abaixo quando escrito foi um desafio. Foi o primeiro texto que escrevi para o jornal FOLHA de Londrina. No começo achei que era brincadeira, quando percebi que era verdade, gelei, suei, orei, mas não paralisei. Muitas vezes deixamos o medo nos paralizar, deixamos de tentar, de ousar. Uma parte dele foi aproveitada no dedo de prosa, não por mim, mas pelo editor do caderno Rural. Hoje sei que isso foi um teste e quando surge alguma matéria ``Kamikaze´´. Lembro dele. Ele me serve de estímulo em encarar desafios... E eles sempre aparecem. Uma hora em menor grau, outras em maior, não importa como. Os desafios existem e existem para se superar! Bom proveito!


Paineira conta sua história antes de tombar

Em em homenagem a todas as espécies existentes ou em extinção, no dia da árvore esta reportagem entrevistou Senhora Paineira, antes que ela caia dentro do Lago Igapó II

Hoje é comemorado o dia da árvore, a equipe da FOLHA escolheu uma personagem um tanto ilustre para marcar a data. A senhora Paineira que leva o nome científico Chorisia speciosa da família Bombacaceae é também conhecida por árvore-de-paina, paineira rosa.
Moradora das margens do Lago Igapó 2,próxima a placa dos 500 metros, ela contou a esta redação que gosta muito do local onde foi plantada, mas não sabe até quando estará por ali para observar as inúmeras pessoas que caminham todos os dias e a comtemplam. Ao ser questionada sobre o motivo desta possível partida, senhora paineira respondeu a esta reportagem não saber até quando conseguirá ficar em pé.
Suas raízes estão quase nadando nas águas do Igapó II. Aproveitou e esclareceu algumas dúvidas sobre a espécie

FOLHA - Como é o seu plantio?
Paineira - Gosto de ser plantada em pleno sol, preciso de regas abundantes para me desenvolver, mas sou de fácil germinação.
FOLHA - Quando sua espécie floresce?
Paineira - Minha espécie floresce entre os meses de janeiro a abril, e nossos frutos ficam maduros entre agosto e setembro, quando perdemos as folhas, tal como o Jequitibá, o Pau marfim, e a Cabreúva, que também perdem suas folhas no período seco do ano.
FOLHA - Como são seus frutos e para que servem?
Paineira - Meus frutos são cápsulas verdes, que quando maduros explodem e deixam as sementes envoltas em fibras muito finas, sedosas e brancas, chamadas paina. Hoje em dia eles são utilizados com menos frequência, que antigamente, mas, servem para o enchimento de travesseiros, almofadas, brinquedos de pelúcia e colchões. Recentemente começaram a ser utilizados como sorvente de óleo cru. Obtivemos sucesso nos resultados, conforme relato dos pesquisadores do departamento de engenharia mecânica da Universidade Federal do Paraná - UFPR.5
FOLHA - Você tem algum apelido?
Paineira - Por armazenar água no tronco me chamam de ''barriguda'', nos Açores e na Madeira nos chamam por Sumaúma ou árvore-da-sumaúma.

Curiosidades

A ''paineira'' é uma das mais típicas árvores das florestas secas do interior do Brasil. Sua madeira é utilizada para o feitio de calçados e caixas, os índios botocudos a utilizam para ornamentar os lábios e orelhas. Tem crescimento rápido, atingindo 3 metros de altura no primeiro ano de existência, chega a altura máxima de 30 metros em mata nativa e 15 metros em áreas urbanas. É recomendada para plantios de recuperação de áreas degradadas e para paisagismo é o que informa o botânico formado pela Universidade de Londrina- UEL, Elvis Hasmann de Camargo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Páscoa, muito mais do que chocolates

Páscoa, Pessach em hebraico é uma festa israelita, apresentada no livro de Êxodo como a festa dos pães ázimos (sem fermento). A festa da páscoa, na antiguidade, consistia em um banquete onde um cordeiro, de um ano, era comido junto com os pães ázimos e ervas amargas. As pessoas comiam em pé e estavam sempre prontas para viagens. Utilizavam o sangue desse cordeiro para passar nas portas das casas dos judeus, de forma que o anjo da morte passasse direto e os seus primogênitos não sofressem com a morte. Essa festa nasceu durante a fuga dos judeus do Egito, onde eram mantidos como escravos. A primeira festa da Páscoa simbolizava a libertação de um povo mediante a ação de Deus. Os pães sem fermento e o fato de comerem em pé, demonstrava a pressa para a saída do Egito. O sangue nos umbrais indicava o acordo de Deus com Moisés de não matar nenhum primogênito judeu. Este foi o último sinal que Deus deu ao Faraó através de Moisés para que seu povo, o povo escolhido, fosse liberto da escravidã…

Para a Amiga

Às vezes é importante ligar só pra chorar...
A gente percebe que nao é de ferro...
A gente enxerga que é de carne... e, que, ainda existem pessoas no mundo que querem ouvir nem que seja o nosso choro...
Não nascemos para sermos sozinhas, nem tão valentes quanto parecemos... mas, Deus nos chamou para termos coragem de enfrentar as adversidades e nos deu capacidades de conseguir enxergar a transformação das maldições em bençãos...
Olho para cima e vejo, tudo o que está acontecendo... pois ao redor não consigo enxergar além, do que meus limitados olhos não podem ver...
Na prosperidade, Ele está comigo, na adversidade também.
Ele tem a chave de tudo, o poder, o controle também...Como fez com Abraão, Izaque e Jacó, comigo fará também!
No jugo oposto ao seu, não deve se colocar, assim, Ele , não pode operar.
Não olhe com rancor, olhe para o que Deus vai fazer, com que tudo isso se transforme em amor.
Ele não opera uma vírgula para o nosso mal. Ame acima das dificuldades, ame acima das deficiências …

Imagens da Lembrança

Com imagens da infância comecei a lembrar, do tempo que eu era menina e comecei a chorar. Cai na caixa das lembranças, lembrei do teu olhar, verdes como esmeraldas, que saudade que dá.

Lembrei do tempo em que eu era menina, mas queria ser mulher.
Lembrei-me que pensava como menina, falava como menina, mas nem sempre agia como menina.
Hoje, sou mulher, com rosto de menina, deixei de pensar como menina e olho para trás.
O tempo passou, a vida mudou, mas o mundo continua o mesmo, ou melhor está cada vez pior, fugaz.
Jovens precoces, ideias e atos, cada vez avançam mais o sinal.

Mas, o fato hoje é outro. Quero apenas parar e lembrar que não é tarde para se sonhar.

Quero lembrar dos tempos das meninices, dos pega-pegas e esconde– escondes. Calma! Nessa época, pega-pegas , não passava de uma brincadeira de criança, tal como o passa-anel, a mãe da rua, a bugalha, as bolinhas de gude, as amarelinhas... meu Deus!!!
Será que as meninas de hoje se dão conta de como era bom, acho que não!

Mas como era b…